Dexter 7×01: “Are you…?”


[Atenção: grandes SPOILERS a seguir!] Todos nós temos escondemos alguma coisa. Alguns segredos são mais leves, outros podem nos expor de tal maneira que o protegemos ao máximo. Com o Dexter não é diferente, e neste começo de temporada vimos o “serial killer” fazendo de tudo para não perder a cabeça e não deixar que seu “Dark Passenger” fosse totalmente descoberto. Acontece que dessa vez a situação saiu mesmo do seu controle.

Do momento em que flagrou o irmão matando o Travis até os segundos finais do episódio, Deb não parou de fazer perguntas! Ela questionou tudo, e parecia que o Dexter tinha todas as falsas respostas na ponta da língua para evitar que sua irmã enxergasse a verdade por traz das mentiras que estava contando. Mesmo com um excelente “jogo de cintura”, o Dexter ficou preocupado com o fato de a Deb ter visto do que ele é capaz. Sua intenção era fazê-la acreditar que aquilo havia sido um deslize, que nunca tinha acontecido antes.

Para lidar com a situação, nada melhor do que passar o tempo com o que mais lhe acalma: matar! Ele aproveitou o assassino do detetive Mike para praticar seu hobby, acreditando que no fim do tudo tudo iria terminar bem. Acontece que a Debra não parou de pensar um segundo sequer no que aconteceu, e esses questionamentos levantaram suspeitas que estavam enterradas em sua mente e ela nem sabia — fruto do dia em que foi parar na mesa do Brian, o irmão biológico e também serial killer do Dexter. No fim, a Debra já tinha desvendado tudo, e surpreendeu o irmão com a pergunta “Você é…?”. O Dexter não teve mais como mentir… Ele admitiu ser um assassino em série. Wow!

Os flashbacks mostraram que o Dexter quis contar para sua irmã seu segredo quando eram crianças, mas seu pai lhe traumatizou dizendo que se um dia a Deb soubesse da verdade, ele acabaria perdendo-a. Será que é isso que vai acontecer agora? Será que a Debra vai deixar seu lado Tenente falar mais algo do que o fato de se tratar do seu amado irmão? Certamente ela não irá entregar o Dexter agora, pois estamos apenas começando a temporada, então ficamos com a opção dela tentar absorver tudo e procurar ajudar o irmão de alguma forma — talvez o salvando do seu lado sombrio. Confesso que já estava achando que os roteiristas iam manter a Deb no escuro por mais um tempo, e fiquei animado com a reviravolta final.

Enquanto isso, o Departamento de Miami já está focando na investigação do assassinato do Mike — nem me importei com a morte do personagem, tendo em vista que mal tivemos oportunidade de conhecê-lo. Mas tem coisas rolando por lá que podem complicar a vida do Dexter… A LaGuerta encontrou a amostra de sangue que o Dexter colheu do Travis e isso promete se tornar uma grande dor de cabeça para o serial killer em breve. Será que ela vai virar “o novo Doakes”? Se sim, já prevejo ela tendo o mesmo destino do falecido amigo. Sem falar que ainda temos o Louis rondando o Dexter, mexendo nas suas coisas e cancelado seus cartões de crédito (!)… Não faço ideia do que ele pretende, só sei que vai ser mais alguém pro Dexter eliminar para proteger sua vida dupla.

Estava gostando o episódio, mas o final me fez adorá-lo. Achei legal a pegadinha que os roteiristas tentaram pregar ao iniciar o episódio com o Dexter “em fuga”. Mas toda a cena da “caça à vítima (aka Viktor)” na sala de embargue do aeroporto me pareceu forçada demais… Sem falar que o Dexter correu um grande risco ao agir ali. Será que não tem nenhuma câmera por lá?! Só o que falta é o Dexter ficar descuidado agora, pois ele já tem complicações demais vindo em sua direção — ok, quanto mais, melho. Vamos ver como a temporada se desenrola… Mas já começou no lucro, pois só esse episódio foi melhor que a temporada passada inteira!

E mais:
O ator Ray Stevenson (Rome) apareceu rapidamente como Isaac, um dos chefões da máfia ucraniana. Certamente o fato de o Dexter ter matado o Viktor irá atrair Isaac para Miami, e só Deus (e os roteiristas) sabem o que poderá sair daí — Dexter Vs. Máfia?
Nada da Yvonne Strahovski (Chuck) neste primeiro episódio… Estou curioso para ver como ela será introduzida na série e como seu arco será desenvolvido. Espero que ela não seja uma nova Lumen.
O Angel e o Quinn fizeram as pazes… Who cares?
Estou com os cruzando os dedos para que aquela história de romance entre a Deb e o Dexter seja deixada de lado… Mas como fizeram questão de relembrar isso no “Anteriormente em…”, estou certo de que em algum momento o plot virá à tona novamente. =/
Alguém mais acha estranho que demorou tanto tempo pra Deb descobrir que o Dexter não trabalhava até tarde? Sei lá, tudo bem que ela nunca teve motivo pra desconfiar, mas essa “pista” sempre esteve tão na cara! rs
E vocês, gostaram da estreia da 7ª temporada? Comentem!

Acesse o Artigo Original: http://caldeiraodeseries.blogspot.com/2012/10/dexter-7×01-are-you.html#ixzz28BSELfbF

Advertisements

Continuum_Fast Times_Season1E02

No segundo episódio de Continuum, a Kiera deu continuidade a sua missão de deter os Liber8 com a ajuda do Alec. Mas ao descobrir que os terroristas estavam planejando outra viagem, desta vez para 2071, ano no qual eles deviam ter aterrissado da primeira vez, ela teve que controlar sua vontade de capturá-los em troca de uma carona pro futuro. Antes disso, a Protetora teve que passar por uma situação complicada: a descoberta de sua “fake ID” pelo Departamento de Polícia!



Achei muito bom que os roteiristas foram direto ao ponto e não demoraram pra lidar com o disfarce de Kiera. Tinha receio que isso fosse passar batido, e que ninguém iria desmascarar a Protetora tão cedo. Mas a Kiera tinha que continuar trabalhando com a polícia, pra garantir o lado procedural da série, então o Alec, aka o aprendiz de “Finch” (pra quem não entendeu, foi uma referência a Person of Interest, ok?), criou arquivos que apontavam que Kiera trabalhava pro FBI e estava realizando uma missão TOP SECRET-ÍSSIMA. Pronto, agora a Kiera ganhou passe-livre definitivo no DP, e, de quebra, vai trabalhar na força-tarefa criada especialmente para caçar os Liber8!

Outra coisa que gostei de ver foi o “fora” adiantado que Kiera deu no Carlos. Ela deixou bem claro pro detetive que não tem interesse algum nele, portanto sua admiradora do Departamento poderia ficar sossegada. Não que isso não mude mais pra frente (e é provável que mude), mas ainda tá muito cedo pra investir numa “tensão sexual” entre eles — embora tenha rolando uma troca de olhares quando o elevador deu pane e Carlos segurou a Kiera. Por enquanto, Kiera está focada em voltar para o convívio do marido e do filho — impressão minha ou ela só sente saudades de verdade do filho?Fiquei feliz em ver que o episódio mostrou mais do futuro! Vimos o dia em que Kiera começou seu trabalho como Protetora, em 2077, para meio que contrastar com o fato dela está no seu primeiro dia de trabalho no Departamento de Polícia de Vancouver. A cena no futuro nos mostrou Kiera recebendo seu chip líquido, que a permite funcionar quase como uma super-máquina, e sua arma “Transformer”. O mais interessante foi quando seu superior lhe disse que em sua função de Protetora ela terá que confiar mais na tecnologia do que nos seus instintos. É a ditadura da tecnologia!


Notaram só fiz elogios até agora, né? Mas nem tudo me agrada na série… Continuo achando conveniente demais que a roupa da Kiera (a qual ela NUNCA tira!), é capaz de tudo, como dar choque nos colegas (o Alec adorou ver que a Kiera derrubou o Carlos, né?) e ligar um carro roubado. Não que a roupa-pode- tudo não seja legal, mas com o tempo essa facilidade toda vai ficar um pouco chata, não acham? Espero que a explosão que atingiu Kiera e os Liber8, quando eles usavam a “pokebola” pra tentar voltar pro futuro, tenha ocasionado alguns danos à tecnologia da super-vestimenta. Quero continuar vendo os elementos futuristas na série, claro, mas também gostaria de ver a Kiera tendo que se virar com os recursos limitados da nossa época — parte da trama é focada nessa adaptação da protagonista à nova realidade.

Também não gostei do fato de terem apressado essa tentativa de volta para o futuro. Até parece que eles iam conseguir, né? Não teve clímax algum, pois caso a viagem de volta tivesse dado certo, a premissa da série estaria prejudicada! Se isso tivesse acontecido no “season finale”, aí tudo bem, poderia gerar um suspense maior. Acho que eles só fizeram isso para que o Liber8 perdesse a parte da bola-máquina-do-tempo, que foi parar nas mãos do DP e que, provavelmente, será “furtada” pela Kiera.Por fim (caramba, o review ficou mais extenso do que eu pretendia), ficou evidente que os Liber8 foram parar em 2012 por engano. O objetivo do grupo era voltar apenas alguns anos, não décadas! Um deles (Kellog) quis ficar em 2012 por achar que mesmo muito distante da dominação das grandes corporações (queria descobrir mais sobre isso) que eles querem derrubar, eles poderiam atuar informando às pessoas do que está por vir. Ele foi voto vencido, mas, no fim, tá todo mundo preso em 2012, por enquanto! Já pensou se a série entrar nessa de ficar saltando no tempo? Corre o risco de complicar tudo — e criar milhões de paradoxos!O episódio também investiu em momentos cômicos, como do Carlos algemado no elevador e da Kiera aprendendo a dirigir. Isso permitiu que os dois personagens se tornassem um pouco mais carismáticos. Carlos, que no primeiro episódio não me impressionou muito, demonstrou ter mais personalidade neste. Também gosto do contraste da Kiera Protetora, sempre séria e focada, da Kiera mãe que bota o filho pra dormir. Rachel Nichols tá se saindo bem como protagonista, e ela só tem a crescer no papel — vai depender da ajudinha dos roteiros também. Agora o Alec precisa fazer algo mais além de apenas ficar naquele celeiro/base secreta e de bancar o “stalker” da Kiera. Será ele fica espiando o tempo todo?! Eu ficaria… 😛

Por Mano, em 07/06/2012


%d bloggers like this: