Em Blue Jasmine, Woody Allen mostra ruína dos especuladores financeiros

Na tragicomédia do consagrado diretor, mulher de investidor que fraudou o sistema precisa reaprender a viver fora da alta sociedade
por Xandra Stefanel, para a RBA
bluejasmine04.jpg

Cena de Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchet

A costumeira acidez e tristeza de Woody Allen está de volta às telas. Mesmo com um pouco de atraso em relação à crise econômica que eclodiu nos Estados Unidos em 2007, o diretor americano acertou em cheio no tema e na forma de seu novo filme, Blue Jasmine, que estreia no Brasil nesta sexta-feira (15).

Interpretada por Cate Blanchett, Jasmine é casada com Hal (Alec Baldwin), um investidor e especulador financeiro que é preso após ter suas fraudes descobertas. A vida luxuosa, repleta de compras, festas, viagens e ostentação, chega ao fim quando a fortuna do marido é confiscada.

Sem ter onde morar, ela deixa o glamour de Nova York rumo a São Francisco, onde pede abrigo e ajuda da irmã adotiva, Ginger (Sally Hawkins). A finesse de Jasmine contrasta com a simplicidade da irmã e tudo naquele novo ambiente incomoda, é pequeno, pobre, grotesco e feio para a ex-rica inconformada.

Para além das diferenças sociais, Woody Allen mostra quão difícil pode ser as relações familiares. Cheio de flashbacks, o filme revela que no passado Jasmine convenceu a irmã e o antigo cunhado a investirem todo o dinheiro que tinham ganhado na loteria em vez de abrirem o próprio negócio.

É claro que o investimento dá errado e a irmã perde tudo – inclusive o marido. Agora Jasmine e Ginger precisam reaprender a lidar com todas as (muitas) diferenças e mágoas do passado. E isso é ainda mais difícil por causa do estado emocional blue de Jasmine. Do inglês, azul é uma gíria para triste, deprimido ou melancólico. Mas o estado de espírito da protagonista vai além da tristeza ou melancolia: à base de um coquetel de antidepressivos, Jasmine vive em um colapso nervoso.

Mesmo sem se conformar com sua nova condição social, ela aceita – contra sua vontade – o emprego de recepcionista no consultório odontológico do Dr. Flicker (Michael Stulbarg) para poder pagar o curso de informática e ter condições de estudar Design de Interiores à distância.

Woddy Allen constroi um personagem que incomoda pela arrogância mas causa dó ao mesmo tempo. Culpada e ingênua, neurótica e lúcida, Cate Blanchett encarna toda a profundidade de Jasmine em um de melhores papéis de sua carreira. Mesmo com um personagem irritante, Blanchett ganha a simpatia do espectador.

Blue Jasmine é um filme triste com uma dose de comédia, como é comum na obra de Allen. A diferença é que desta vez não há muita esperança para sua musa: seu personagem é como é e nada pode salvá-la de si mesma.

Assista ao trailer do filme:

 

Ficha técnica

Blue Jasmine

Direção: Woody Allen

Elenco: Cate Blanchett, Alec Balwin, Sally Hawkins, Peter Sarsgaard

País: Estados Unidos

Idioma: inglês

Gênero: drama

Classificação: 12 anos

Leave a comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: