Lady Gaga vai à lanchonete de sutiã e mostra demais

lady-gaga-de-sutia-1 lady-gaga-de-sutia-2 lady-gaga-de-sutia-3 lady-gaga-de-sutia-4 lady-gaga-de-sutia-5 lady-gaga-de-sutia-6

Shay Mitchell direto do FacebookNews

“Truly great friends are hard to find, difficult to leave, and impossible to forget.” – G. Randolf

cinema039

Destaques da semana: Sherlock manda recado ao governo britânico, Michael Scofield foge do armário e mais…

 

Benedict Cumberbatch, mais conhecido como Sherlock, aproveitou a presença da imprensa e de curiosos no set de sua série do canal BBC para mandar um recado ao governo britânico. Com frases escritas em folhas de papel, o ator exercitou seu lado político e criticou a detenção do parceiro do jornalista Glenn Greenwald em Londres, caso que ganhou repercussão internacional no começo da semana.

A recado que Benedict passou foi o seguinte (em tradução livre):

“Perguntas que temos o direito de perguntar numa democracia – Cameron, Theresa May, GCHQ, professores, pais, uns aos outros… Discos rígidos quebrados, jornalistas detidos em aeroportos… Democracia? Restrição prévia com base na Lei de Combate ao Terrorismo — é esta a erosão das liberdades civis ganhando a guerra contra o terror? O que eles não querem que você saiba? E como eles sabem? A exposição de suas técnicas causam uma ameaça à nossa segurança ou apenas causa-lhes constrangimento?”

Boa, Sherlock!

Acesse o Artigo Original: http://caldeiraodeseries.blogspot.com/2013/08/sherlock-manda-recado-scofield-sai-do-armario-noticias.html#ixzz2cxocHStu

Novos trailers da quarta temporada de ‘Boardwalk Empire’

By Fernanda Furquim

No dia 8 de setembro estreia nos EUA a nova temporada de Boardwalk Empire, série deTerence Winter que tem doze episódios produzidos para seu quarto ano.

[Spoilers] Após a morte de Rosetti, Nucky (Steve Buscemi) faz uma oferta de paz a Joe Masseria (Ivo Nandi), enquanto ainda tenta lidar com o gângster Arnold Rothstein (Michael Stuhlbarg) e dá atenção a Willie (Ben Rosenfield), filho de Eli (Shea Whigham), que deseja entrar para o ramo da família. Neste meio tempo, Nucky viaja para a Flórida, onde surge uma oportunidade de investir em terras de propriedade de Bill McCoy (Pearce Bunting). Lá, ele conhece Sally Wheet (Patricia Arquette, de Medium), a proprietária de um bar.

Enquanto isso, chega em Atlantic City o Agente Federal Warren Knox (Brian Geraghty), aliado de J. Edgar Hoover (Eric Ladin), diretor do FBI, que se reúne com o agente Sawicki (Joseph Aniska). Seu objetivo é manter o FBI informado das atividades de Nucky.

Lutando pela custódia de seu neto Tommy (Brady Noon), Gillian (Gretchen Mol) tenta convencer o empresário Roy Phillips (Ron Livingston, de Defying Gravity) a ajudá-la a manter o Artemis Club.

 

Em Chicago, Al Capone (Stephen Graham) e seus dois irmãos, Frank (Morgan Spector) e Ralph (Domenick Lombardozzi), contam com a ajuda de Van Alden (Michael Shannon), agora trabalhando como entregador para Dean O’Banion (Arron Shiver), para manter o controle de seus negócios em Cicero.

Em Milwaukee, Richard Harrow (Jack Huston) tenta apagar seu passado, mas antes precisa finalizar alguns negócios que ainda tem com Emma (Katherine Waterston).

Em Nova Iorque, Dr. Valentin Narcisse (Jeffrey Wright), teólogo e filantropo, estudioso da cultura e do homem, está no comando do Harlem. Ele é proprietário do bar Onyx, onde se apresenta a cantora de jazz Daughter Maitland (Margot Bingham). Nos negócios, Narcisse entra em conflito com Chalky (Michael Kenneth Williams), homem de confiança de Nucky.

A temporada também contará com o retorno de Chris Caldovinoque interpreta o gângster Tonino Sandrelli; Kelly Macdonald como Margaret, ex-esposa de Nucky; Paul Sparks como Mickey Doyle; e Anthony Laciura como Eddie Kessler, valete de Nucky, que decide pedir aumento após onze anos de lealdade. [Fim dos Spoilers]

A quarta temporada ainda não tem previsão de estreia no Brasil.

Os Sabores do Palacio

Os Sabores do Palácio
Christian Vincent

Cama e mesa

O contexto da trama de Os Sabores do Palácio, estreia de sexta 23, nos soa familiar. Uma reputada chef é persuadida a se tornar a cozinheira pessoal do presidente da República. Situação similar se deu com a gaúcha Roberta Sudbrack, cozinheira do Palácio da Alvorada na era de Fernando Henrique Cardoso. Mas, no caso, estamos na França e isso ganha sabida dimensão numa terra devotada à gastronomia.

A personagem Hortense Laborie, em ótima interpretação de Catherine Frot, será a escolhida para o desafio, em parte para agradar ao paladar presidencial, em parte pela briga que compra em domínio masculino. Logo no início sabemos que algo desandou, pois Hortense encontra-se na cozinha, sem glamour, de uma base científica na Antártida. Importará no filme de Christian Vincent acompanhar como chegou lá.

Tanto mais por que a história real está anotada nos diários publicados de Danièle Delpeuch, a verdadeira Hortense. Em 1988, ela deixou sua fazenda e a produção de foie gras para preparar receitas tradicionais a François Mitterrand (Jean d’Ormesson, escritor da Academia Francesa e amigo do presidente). Instalou-se em apartamentos contíguos ao Eliseu, a sede do governo, onde foi vizinha de Anne Pingeot, amante de Mitterrand, e a filha do casal. Bom gourmet, o chefe de Estado era conquistador charmoso, talento que vemos também exercitar nesse filme encantador.

Wentworth Miller, de ‘Prison Break’, assume ser gay e protesta contra as leis da Rússia

Este mês, Wentworth Miller, astro da sériePrison Break, recebeu dos organizadores doSt. Petersburg International Film Festivalum convite para participar do evento como convidado de honra.

Em uma carta, o ator diz não poder aceitar e explica que, embora tenha apreciado suas visitas anteriores à Rússia, não pode participar de uma celebração organizada em um país que nega a pessoas como ele os direitos básicos de viver e amar abertamente.

A declaração de Miller foi divulgada porWilson Cruz (My So-Called Life), porta-voz da organização não governamental GLAAD. Segundo Cruz ao Variety, as palavras de Miller são um apoio a russos que constantemente sofrem violência e perseguição. Cruz ainda incentiva que outras celebridades e corporações condenem publicamente o que vem ocorrendo na Rússia.

Em junho, o Parlamento aprovou uma lei que proíbe a propaganda homossexual no país e impõe multa e prisão a quem promover passeatas de orgulho gay.

 

Fernanda Furquim-Blog-Veja

Neil Cross confirma o fim de ‘Luther’

Idris Elba em ‘Luther’ (Foto: Robert Viglasky/BBC)

Esta manhã, durante o Festival de TV de Edimburgo, o roteirista e produtor Neil Cross confirmou o fim da série Luther, que teve sua terceira temporada exibida em julho no Reino Unido. A informação foi divulgada pelo The Stage. Segundo Cross, o fim da série foi determinado pela ascensão de Idris Elba no cinema. Atualmente, o ator está no elenco de cinco filmes, entre elesMandela: Long Walk to Freedom, que já finalizou sua produção.

Ainda existe o interesse de se produzir uma versão cinematográfica de Luther, algo que vinha sendo cogitado antes mesmo da terceira temporada ser exibida. Mas por enquanto não há previsão de quando ele sairá do papel. Cross está trabalhando com outras produções, entre elasCrossbones, para a rede americana NBC. Ele também fará parte da equipe de roteiristas da oitava temporada de Doctor Who, como foi divulgado aqui.

Luther acompanha a vida e os trabalhos do detetive John Luther (Elba), que retorna ao trabalho após sofrer uma crise. Tentando manter seu equilíbrio mental e emocional, ele conhece Alice (Ruth Wilson), uma jovem muito inteligente, PhD em astrofísica pela Oxford University, que se revela uma assassina. Os dois acabam formando uma parceria inusitada quando a vida do detetive sofre uma nova reviravolta.

A série teve cinco indicações ao prêmio Emmy (direção, roteiro, ator e produção) e duas ao Golden Globe. Conhecido por seu trabalho em The Wire, Elba se estabeleceu com Luther, que lhe rendeu um Golden Globe de melhor ator.

A série encerra sua produção com três temporadas e quatorze episódios. Ela chegou ao Brasil pelo site de streaming Netflix.

Por Fernanda Furquim-Blog-Veja

ASHTON KUTCHER É A PERSONALIDADE MAIS BEM PAGA DA TV – CONFIRA A LISTA COMPLETA

A revista TV Guide  divulgou uma lista com as personalidades mais bem pagas da TV – confira:

COMÉDIA (por episódio)                                                              
                   

Ashton Kutcher (Two and a Half Men) – US$ 750 mil

Jon Cryer (Two and a Half Men) – US$ 650 mil
Kaley Cuoco (The Big Bang Theory) – US$ 350 mil
Johny Galecki (The Big Bang Theory) -US$ 350 mil
Jim Parsons (The Big Bang Theory) – US$ 350 mil
Dan Castellaneta (Os Simpsons) – US$  300 mil
Julie Kavner (Os Simpsons) – US$ 300 mil
Yeardley Smith (Os Simpsons) –  US$ 300 mil
Tim Allen (Last Man Standing) – US$ 235 mil
Patricia Heaton (The Middle) – US$ 235 mil
Alyson Hannigan (How I Met Your Mother) – US$ 225 mil
Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother) – US$ 225 mil
Josh Radnor (How I Met Your Mother) – US$ 225 mil                                                                                                                           
Jason Segel (How I Met Your Mother) – US$  225 mil
Cobie Smulders (How I Met Your Mother) – US$ 225 mil
Ed O’Neill (Modern Family) – US$ 200 mil
Amy Poehler (Parks and Recreation) – US$  200 mil
Julie Bowen (Modern Family) – 175 mil
Ty Burrell (Modern Family) -175 mil
Eric Stonestreet (Modern Family) – US$ 175 mil
Sofia Vergara (Modern Family) – US$ 175 mil
Robin Williams (The Crazy Ones) – US$  165 mil
Zooey Deschanel (New Girl) – US$ 125 mil
Anna Faris (Mom) – US$ 125 mil
Allison Janney (Mom) – US$ 125 mil dólares

DRAMA (por episódio)                                                                  
Mark Harmon (NCIS) – US$ 525 mil

Mariska Hargitay (Law & Order: SVU) – US$ 400 mil
Simon Baker (The Mentalist) – US$350 mil
Patrick Dempsey (Grey’s Anatomy) – US$  350 mil
Ellen Pompeo (Grey’s Anatomy) – US$ 350 mil
Sandra Oh (Grey’s Anatomy)  – US$ 350 mil
Michael C. Hall (Dexter) – US$ 300 mil
Jon Hamm (Mad Men) – US$ 275 mil
Stephen Moyer (True Blood) – US$ 275 mil
Anna Paquin (True Blood) – US$  275 mil
Alexander Skårsgard (True Blood) – US$ 275 mil
David Boreanaz (Bones) – US$ 250 mil
Emily Deschanel (Bones) – US$ 250 mil
Claire Danes (Homeland) – US$ 250 mil
Damian Lewis (Homeland)  – US$ 250 mil
Michael Weatherly (NCIS) – US$ 250 mil
Bryan Cranston (Breaking Bad) – US$ 225 mil
Laurence Fishburne (Hannibal) –  US$ 175 mil
Lauren Graham (Parenthood) – US$  175 mil
Pauley Perrette (NCIS) – US$ 175 mil
Peter Dinklage (Game of Thrones) – US$ 150 mil
Lena Headey (Game of Thrones) – US$ 150 mil
Aaron Paul (Breaking Bad) – US$ 150 mil
Lucy Liu (Elementary) – US$ 130 mil
James Spader (The Blacklist) – US$ 125 mil

REALITY SHOWS
Howard Stern (America’s Got Talent) – US$15 milhões por ano
Keith Urban (American Idol) – US$5 milhões por ano
Blake Shelton (The Voice) – US$4 milhões por ciclo
RuPaul (RuPaul’s Drag Race) – US$50 mil por episódio
Reza Farahan (Shahs of Sunset) – US$18 mil por episódio

TALK SHOWS (por ano)
Jon Stewart (The Daily Show) – US$25-30 milhões

Jay Leno (The Tonight Show) – US$20 milhões
David Letterman (Late Night) – US$20 milhões
Jimmy Kimmel (Jimmy Kimmel Live) – US$10 milhões
Andy Cohen (Watch What Happens Live) – US$2 milhões
Por Aline Diniz-Omelete

A Última Viagem a Vegas (Last Vegas)

A Última Viagem a Vegas (Last Vegas), comédia da CBS Films e da Mandate Pictures que deve ser uma espécie de Se Beber, Não Case!  da meia-idade, ganhou um novo trailer:

Dan Fogelman (Amor a Toda Prova) escreveu o roteiro, sobre um grupo de aposentados que são convidados por um amigo (Michael Douglas) – tipo mulherengo que está se casando com uma mulher com a metade de sua idade – a uma festa de despedida de solteiro na cidade do pecado, Las Vegas. Morgan FreemanRobert De Niro e Kevin Kline completa o grupo.

Jon Turteltaub (O Aprendiz de Feiticeirodirige A Última Viagem a Vegas, que estreia em 1º de dezembro nos EUA e em 6 de dezembro no Brasil.

cinema cinema002 cinema003 cinema004 cinema005 cinema006 cinema007 cinema008 cinema009 cinema010 cinema011

 

Quando os humildes herdaram a Terra: todo o poder de Elysium

A melhor ficção científica não é sobre o futuro: é sobre o presente, e tudo aquilo que nos assusta, angustia, empolga e intriga no presente. Dois alicerces do gênero no cinema – Le Voyage Dans La Lune, de Georges Méliès, 1902, e Metropolis, de Fritz Lang, 1927 -falavam, na aurora do século 20, dos medos do que a muito recente revolução industrial poderia fazer com o planeta e seus habitantes.  Chaminés fumegantes inspiram os cientistas de Voyage Dans La Lune a buscar novos horizontes na Lua. Uma sociedade radicalmente dividida entre  operários oprimidos, vivendo em miséria, e oligarcas opressores, vivendo no luxo, gera uma revolução emMetropolis.

Há um tanto de ambos, Metropolis e Le Voyage Dans La Lune, em Elysium, o arrasa-quarteirão mais inteligente desta (fraquíssima) temporada pipoca.  Porque seu realizador, Neil Blomkamp, não deixa o cérebro na prateleira quando cria, todo o poder do sci-fi, sua capacidade de especular sobre o que estamos vivendo agora, com a liberdade de ver os problemas na distância do futuro, passa, intocado, da tela para a plateia.

Em seu sensacional filme de estreia, Distrito 9, Blomkamp refletia profundamente sobre os conceitos de raça, espécie e a infinita arrogância dos humanos, colocando em nossas mãos um novo tipo de ET – o ET das comunidades carentes, dos marginalizados, dos segregados.

De muitos modos Elysium continua o raciocínio de Distrito 9, adicionando boas doses das ideias dos prioneiros da sci fi. Como em Voyage, a Terra em Elysium é um planeta devastado e, como em Metropolis, quem a herdou foram de fato os humildes _ todos aqueles pobres demais, marginalizados demais para se mudar para o novo paraíso celeste, Elysium, uma espécie de mega-condomínio fechado, exclusivo para ricos e bem nascidos, valsando acima da Terra como uma perversão sinistra da estação espacial de 2001 Uma Odisséia no Espaço, imune a pobreza, violência e doença.

Os melhores achados de Elysium estão em sua abordagem do que foi feito da Terra, pelo microcosmo de Los Angeles. No século 22, LA terá se transformado, dependendo do ponto de vista, numa imensa Tijuana ou num interminável Complexo do Alemão, hiper-poluída, desprovida de serviços  públicos  e controlada ou por um sortimento de gangues e mercenários, ou por robocops que chamam todo mundo de “cidadão” enquanto baixam o sarrafo.

É uma vida em círculos, onde quem tem sorte, como Max (Matt Damon) trabalha , por trocados , em condições precaríssimas, em grandes fábricas de bens de luxo e segurança, ganhando tempo até que alguma trivialidade – um encontro mais brusco ou com os robocops ou com os mercenários, uma doença – ponha um ponto final. Uma das melhores cenas desse primeiro ato envolve Max e um robojuiz, que vai fazer a delícia (ou a agonia) de qualquer pessoa que algum dia teve que resolver um caso complicado com um burocrata.

Sobre esse inferno terrestre paira Elysium, acessível apenas aos seus cidadãos, e governado com elegante mão de ferro por uma Jodie Foster em seu melhor modo vilanesco,bebendo champanhe e falando francês enquanto ordena ataques mortais a dezenas de pessoas, à distância e sem elevar o tom de voz.

Eu só lamentaria uma coisa, mas ao mesmo tempo compreendo o que aconteceu. Enquanto Distrito 9 deixava que os personagens contassem a história – e nós nos envolvíamos a partir do que íamos descobrindo sobre eles – Elysium, a partir do meio, apoia-se no velho modelo das repetidas cenas de ação e enfrentamento para tocar a narrativa.

Mas eu entendo: ao contrário de Distrito 9, este é um filme de grande orçamento, com grandes expectativas de um grande estúdio – a Sony – que teve uma temporada pipoca atribulada. Posso imaginar perfeitamente o quanto de interferência o roteiro original sofreu para incluir “mais efeitos!”, “mais ação!”, “mais perseguições!”, “mais explosões!”.

 

A presença de Alice Braga e Wagner Moura num ótimo elenco multicultural que inclui também Diego Luna e  Sharlto Copley merece uma conversa à parte. Ambos estão excelentes e tenho certeza de que, bem administrada, essa exposição pode ser um salto quântico em suas já luminosas carreiras. Eu espero apenas que Alice faça, em breve, um papel num grande projeto internacional onde ela não seja a boa moça em perigo. Sei, sabemos, que ela é capaz de muito, muito mais. Wagner criou seu líder bandido Spider com impressionante presença e fisicalidade _ agora é só esperar as próximas ofertas (e escolher bem).

Elysium estreia aqui nesta sexta feira, dia 9, e no Brasil dia 20 de setembro.

Ana Maria Bahiana-http://anamariabahiana.blogosfera.uol.com.br/