Aurora



newsweek:

People have been creating and sharing some really touching ‘Dark Knight’-related tribute art for the victims of the Aurora shooting.

Giselle Bündchen completa 32 anos.

Linda,chiquérrima,empreendedora,multifacetada,mamãe,anti-barraqueira,moleca e de bem com a vida.
Esta é Giselle Bündechen a top model brasileira que hoje completa 32 anos.
Abaixo varias fotos de diversos momentos da top model.









A campanha de Lady Gaga Fame


Se você lê o Blog LP já está sabendo que Lady Gaga vai lançar um perfume em setembro. E agora a gente mostra a 1ª imagem da campanha de Lady Gaga Fame, que a cantora divulgou em seu Twitter. A foto é de Steven Klein, em P&B, e mostra Gaga nua, coberta apenas por homenzinhos e uma máscara preta. Misteriosa! E aí? Gostou? Comente!

Celeste Holm _A Malvada(All About Eve)

A atriz norte-americana e vencedora do Oscar Celeste Holm morreu, aos 95 anos, na tarde deste domingo (15) de causas ainda desconhecidas. As informações são da emissora de TV NY1.

Holm sofria do coração e se recuperava de uma forte desidratação.

O estado de saúde da atriz teria se agravado após um incêndio que atingiu o apartamento do ator Robert De Niro no dia 8 de julho. Dentro do mesmo prédio viviam a atriz Celeste Holm e seu marido, Frank Basile.
Nascida em Nova York e de origem norueguesa, estudou arte dramática na Universidade de Chicago e estreou na Broadway em 1936 . Assinou com a 20th Century Fox em 1946 e nesse mesmo ano actuou no seu primeiro filme, Three Little Girls in Blue. No terceiro filme em que participou, Gentleman’s Agreement (1947), ganhou o Óscar e o Globo de Ouro de melhor Actriz Secundária. Foi indicada mais duas vezes ao prémio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas , por Come to the Stable (1949) e All About Eve (1950).

Dando preferência ao teatro , Celeste participou em poucos filmes nos anos 50 , entre eles os musicais Tender Trap (1955) e High Society (1956). Em 1954 conduziu programa próprio na televisão , chamado Honestly Celeste. Nas as últimas duas décadas, Celeste apareceu regularmente na televisão, em mini-séries , filmes e séries . No cinema fez Tom Sawyer (1973) e 3 Men and a Baby (1987).

Possui uma estrela na Calçada da Fama , localizada no número 41 da Hollywood Boulevard .

Filmography

Three Little Girls in Blue (1946)
Carnival in Costa Rica (1947)
Gentleman’s Agreement (1947)
Road House (1948)
The Snake Pit (1948)
Chicken Every Sunday (1949)
A Letter to Three Wives (1949); voiceover as “Addie Ross”
Come to the Stable (1949)
Everybody Does It (1949)
Champagne for Caesar (1950)
All About Eve (1950)
The Tender Trap (1955)
High Society (1956)
Bachelor Flat (1962)
Rodgers and Hammerstein’s Cinderella (1965)
Doctor, You’ve Got to Be Kidding! (1967)
Tom Sawyer (1973)
Bittersweet Love (1976)
The Private Files of J. Edgar Hoover (1977)
Backstairs at the White House (1979)
The Shady Hill Kidnapping (1982); teleplay by John Cheever
Three Men and a Baby (1987)
Once You Meet a Stranger (1996)
Still Breathing (1997)
Broadway: The Golden Age, by the Legends Who Were There (2003); documentary
Alchemy (2005)
Driving Me Crazy (2012)
College Debts (2013)

Stage Apparence
Teatro(Broadway)Stage Appearances

Gloriana [Broadway] – Cast as Lady Mary. (1938)
Another Sun [Broadway] – Cast as Maria. (1940)
The Return of the Vagabond [Broadway] – Cast as His Daughter. (1940)
The Time of Your Life [Broadway] – Cast as Mary L. (1940)
Eight O’Clock Tuesday [Broadway] – Cast as Marcia Godden. (1941)
My Fair Ladies [Broadway] – Cast as Lady Keith-Odlyn. (1941)
Papa Is All [Broadway] – Cast as Emma. (1942)
All the Comforts of Home [Broadway] – Cast as Fifi Oritanski. (1942)
The Damask Cheek [Broadway] – Cast as Calla Longstreth. (1942)
Oklahoma! [Broadway] – Original Production – Cast as Ado Annie Carnes. (1943)
Bloomer Girl [Broadway] – Original Production – Cast as Evelina. (1944)
Affairs of State [Broadway] – Cast as Irene Elliott. (1950)
The King and I [Broadway] – Original Production – Cast as Anna Leonowens [Replacement]. (1951)
Anna Christie [Broadway] – Cast as Anna Christopherson. (1952)
His and Hers [Broadway] – Cast as Maggie Palmer. (1954)
Interlock [Broadway] – Cast as Mrs. Price. (1958)
Third Best Sport [Broadway] – Cast as Helen Sayre. (1958)
Invitation to a March [Broadway] – Original Production – Cast as Camilla Jablonski. (1960)
Mame [Broadway] – Original Production – Cast as Mame Dennis [Replacement]. (1966)
Candida [Broadway] -Cast as Candida. (1970)
Babylove [Replacement].
The Grass Harp [Broadway] – Original Production. (1971)
Mama [Broadway] – Closed on the road. (1972)
Habeas Corpus [Broadway] – Cast as Lady Rumpers – A Pillar of the Empire. (1974)
The Utter Glory of Morrissey Hall [Broadway] – Original Broadway Production – Cast as Julia Faysle Headmistress.(1979)
I Hate Hamlet [Broadway] – Cast as Lillian Troy. (1991)
Allegro [Off-Broadway] – Encores! Concert – Cast as Grandma Taylor. (1994)

TV appearances

“Columbo” Old Fashioned Murder (1976)
Honestly, Celeste! as Celeste Anders
Jessie (1985) as Molly Hayden
Kilroy as Mrs. Fuller
Loving as Lydia Woodhouse (1986) / Isabelle Dwyer Alden (#2) (1991-1992)
Nancy Abigail as ‘Abby’ Townsend
Promised Land as Hattie Greene
The Academy Awards as Herself – Host
The Delphi Bureau as Sybil Van Loween (pilot film)
Archie Bunker’s Place as Estelle Harris
Falcon Crest as Anna Rossini
The New Hollywood Squares as Herself
Alcoa Premiere as Laura Bennett in Cry Out in Silence
American Playhouse as Herself in The Shady Hill Kidnapping
Burke’s Law as Helen Forsythe in Who Killed the Kind Doctor?
Celebrity Time as Herself on 5/6/1951
Cheers as Grandmother Gaines in No Rest For the Woody
Christine Cromwell as Samantha Cromwell in Vito Veritas
Climax as Mary Miller in The Empty Room Blues
Columbo as Phyllis Brandt in Old Fashioned Murder
Disneyland as Deirdre Wainwright in Bluegrass Special
Dr. Kildare as Nurse Jane Munson in The Pack Rat and Prima Donna
Fantasy Island (1978) as Sister Veronica inLook-Alikes / The Winemaker
Fantasy Island (1978) as Mabel Jarvis in The Beachcomber / The Last Whodunit
Follow The Sun as Miss Bullfinch in The Irresistible Miss Bullfinch
Ford Startime as Host/Special Guest Star in Fun Fair
Four Star Revue as Guest on November 8, 1950
The Fugitive (1965-1967)
Goodyear Television Playhouse as Maggie Travis in The Princess Back Home
Great Performances as Performer in Talking With
Hallmark Hall Of Fame as Phoebe Meryll in The Yeoman of the Guard
Inside U.S.A. with Chevrolet as Herself in Celeste Holm
Insight as Mrs. Berns in Fat Hands and a Diamond Ring
Kraft Music Hall as Herself in Celeste Holm
Long Hot Summer as Libby Rankin in Face Of Fear
Lucan in You Can’t Have My Baby
Magnum, P.I. as Abigail Baldwin in The Love That Lies
Manhunter Clara in The Truck Murders

Matt Houston as Catherine Hershey in Company Secrets
Medical Center as Dr. Linda Wilson in No Margin for Error
Medical Center as Geraldine Stern in Web of Intrigue
Mr. Novak as Guest Star in An Elephant is Like a Tree
Pat Boone Chevy Showroom as Herself on November 28, 1957
Producers’ Showcase as Mad Meggie in Jack and the Beanstalk
Run for Your Life as Margot Horst in The Cold, Cold War Of Paul Bryan
Schlitz Playhouse of Stars as Guest Star in Four’s a Family
Schlitz Playhouse of Stars as Guest Star in The Wedding Present
Spenser: For Hire Rose in Haunting
Studio 57 as Guest Star in Robin
Stump The Stars as Herself on April 15, 1963
The Academy Awards as Herself in The 70th Annual Academy Awards
The Academy Awards as Herself in The 75th Annual Academy Awards
The Academy Awards as Herself – Performer in The 25th Annual Academy Awards
The Beat (2000) as Frances Robinson in Can I Get A Witness?
The Beat (2000) as Frances Robinson in Three Little Words
The Colgate Comedy Hour as Guest on 4/15/1951
The Colgate Comedy Hour as Cameo on 8/7/1955
The Dick Cavett Show as Herself on October 20, 1972
The Ed Sullivan Show as Herself in Edith Piaf / Celeste Holm / Betty Comden & Adolph Green / Pat Suzuki
The Ed Wynn Show as Guest in Celeste Holm
The Eleventh Hour (1962) as Billie Hamilton in How Do I Say I Love You?
The F.B.I. as Flo Clementi in The Executioners (2)
The F.B.I. as Flo Clementi in The Executioners (1)
The Fugitive (1963) as Pearl in Concrete Evidence
The Fugitive (1963) as Flo Hagerman in The Old Man Picked a Lemon
The Jimmy Durante Show as Guest on 11/19/1955
The Jimmy Durante Show as Guest on 11/19/1955
The Love Boat as Guest Star in The Buck Stops Here/ For Better or Worse/Bet On It
The Love Boat as Eva McFarland in The Love Boat II
The Love Boat as Estelle Castlewood in A Good & Faithful Servant/Secret Life of Burl Smith/Tug of War/Designated Lover
The Lux Video Theatre as Katherine Case in The Bargain
The Lux Video Theatre as Miss Prynne in Lost Sunday
The Lux Video Theatre as Margaret Best in Second Sight
The Lux Video Theatre as Eliza in The Pacing Goose
The Mike Douglas Show as Herself on Week of May 11, 1970
The Mike Douglas Show as Herself on May 6, 1971
The Mike Douglas Show as Herself on September 10, 1970
The Mike Douglas Show as Herself on February 2, 1965
The Mike Douglas Show as Herself on April 5, 1973
The Name of the Game as Irene Comdon in The Brass Ring

The Play of the Week as Virginia in A Clearing in the Woods
The Rosie O’Donnell Show as Herself in Show #806
The Streets of San Francisco (1972) as Mrs. Shaninger in Crossfire
The Tonight Show Starring Johnny Carson as Guest in 700525
The United States Steel Hour as Madge Collins in The Bogey Man
The Vic Damone Show as Herself on September 24, 1956
The Virginia Graham Show as Herself on September 4, 1970
Third Watch as Florence in Transformed
Toast of the Town as Herself in The Richard Rodgers Story (Part 2)
Toast of the Town as Herself in Tribute to Rodgers & Hammerstein w/Celeste Holm; John Raitt; Florence Henderson
Toast of the Town as Herself in Eartha Kitt / Celeste Holm / John Raitt / Janis Paige
Touched by an Angel as Hattie Greene in Vengeance Is Mine (1)
Touched by an Angel as Hattie Greene in Promised Land
Touched by an Angel as Hattie Greene in The Road Home (1)
Trapper John, M.D. as Claudia in The Shattered Image
Trapper John, M.D. as Lillie Townsend in Don’t Rain on My Charade

We, The People as Guest Star in Edith Piaf/Celest Holm
What’s My Line? as Mystery Guest in EPISODE #446
What’s My Line? as Guest Panelist in EPISODE #306
What’s My Line? as Mystery Guest in EPISODE #41
Whoopi as Diana in The Squatter
Wonder Woman (1979) as Dolly Tucker in I Do, I Do
Zane Grey Theater as Sarah Kimball in Fugitive

Batman 2012



Em clima de contagem regressiva para a estreia de “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, o site da revista americana “Empire” divulgou a trilha sonora do longa, que estreia no dia 27 de julho no Brasil.

As músicas foram compostas pelo alemão Hans Zimmer, que ganhou um Oscar em 1995 pelas canções de “O Rei Leão”. Zimmer também recebeu indicações ao Oscar pelas trilhas sonoras de “Um Anjo em Minha Vida” (1996), “Melhor É Impossível” (1997), “O Príncipe do Egito” (1998), “Gladiador” (2000) e “A Origem” (2010).

O compositor já havia trabalhado nas canções dos outros dois filmes da trilogia “Batman”, de Christopher Nolan: “Batman Begins” (2005) e “O Cavaleiro das Trevas” (2008). O álbum com a trilha da nova saga, que pode ser ouvida no player abaixo, será lançado no site do iTunes e da Amazon no dia 16 de julho.






Quem é você, Peter Parker?


Eu sei qual é o seu nome. A questão é: será que você sabe?”, diz Gwen Stacy (Emma Stone) para um titubeante Peter Parker (Andrew Garfield), nos corredores da Midtown High School, logo nos primeiros momentos de O Espetacular Homem-Aranha. Pouco tempo depois, uma recepcionista vai mais além: “Você está tendo dificuldade em se encontrar?”, ela pergunta a um ainda mais confuso Peter Parker (a conversa é a respeito de um crachá, mas serve maravilhosamente aos propósitos da trama). E depois que tudo aconteceu, com aranhas, lagartos e tudo mais, uma professora explica, nos derradeiros minutos de imagem: “Um professor certa vez me disse que há apenas dez histórias no mundo. Mas para mim existe apenas uma única história: quem sou eu ?”

Identidade, acima de tudo, é o grande tema e o grande problema de O Espetacular Homem-Aranha. O diretor Marc Webb, que vem do cinema indie e ganhou notoriedade com o delicado(500) Dias Com Ela, tem o olhar perfeito para compreender o que muitas vezes escapa aos realizadores de filmes baseados em hq e que é, na verdade, a substancia sobre a qual se assenta todo o sucesso dos quadrinhos: o lado humano dos personagens. Quadrinhos funcionam através das décadas porque tem o poder das sagas mitólogicas: colocam em escala ampliada os obstáculos, frustrações e sofrimentos muito humanos de todos nós. E todos eles, em algum momento, tem a ver com a pergunta fatal: quem sou eu?

Trabalhando com um roteiro a seis mãos (embora todos escolados veteranos, inclusive um residente de Hogwarts, Steve Kloves) e, com certeza, o estúdio olhando por cima do seu ombro, Webb conseguiu o prodígio de, pelo menos na primeira parte de O Espetacular Homem-Aranha, manter uma visão coesa do drama da identidade – ou, como o próprio diretor disse, do “vácuo” – presente na vida de um adolescente inteligente e sensível demais para sua própria felicidade.

Onde seu filme é melhor e mais forte, reluzente com uma vivacidade que já começa a escapar do sub-gênero, é no estabelecer as origens do herói, a paixão por ciência que o conecta com o pai , preenche seu vazio e, inesperadamente, cria uma nova camada de identidade. De todas as lutas essenciais num bom filme de super-herói, a minha preferida é justamente a primeira, dentro de um vagão do metrô de Nova York, sem máscara e sem uniforme, uma parte da identidade se estabelecendo, a outra hesitando, pedindo desculpas. A opção de colocar Garfield, em muitas sequencias importantes, com o traje do Homem Aranha, mas sem a máscara, reforça a questão da identidade _ gradualmente, Peter é o Aranha, e o Aranha é Peter.

Webb tem em Andrew Garfield e Emma Stone seus parceiros ideais. Que me perdoem os fãs de Tobey Maguire, mas Garfield dá uma dimensão de complexidade e credibilidade a Peter Parker que eu ainda não tinha visto. A conexão com Emma Stone faz parte disso e a escolha de Gwen como a parceira/cúmplice do herói nascente funciona muito bem na exposição de sua questão essencial _ você sabe quem você é, Peter Parker?

Saber quem ele é também é uma questão para o próprio filme. Quando o Lagarto passa a dominar a narrativa, e até o Capitão Stacy, pai de Gwen (Denis Leary, muito bem escalado) passa a leva-lo a sério, tudo fica menos interessante, em grande parte porque o que havia mantido a história num plano mais vital e mais emocional vai embora. Claro, como é mandatório no gênero, temos muitas lutas, efeitos  digitais (nem todos me convenceram) e coisas atiradas na direção da plateia para justificar o 3D. Uma sequencia importante envolvendo uma sucessão de guindastes de obra é a mais poderosa de todas, e, possivelmente, a que mais reflete a sensibilidade de Webb na abordagem do material.

Eis o x da questão: até quanto tempo é possível fazer filmes de super herói sem repensar , mais uma vez, tudo a seu respeito? O Espetacular Homem-Aranha é um reboot razoavelmente precoce, motivado pelas duas grandes pressões da indústria : gastar menos e vender mais ingressos para novas plateias. Mas também pode ser uma oportunidade para rever o gênero. Sam Raimi concluiu sua jornada com o Homem Aranha em 2007. Christopher Nolan encerra este ano sua repensagem do Batman. X Men voltou ao passado do mito.Vem aí um reboot do Super Homem. Quem somos nós, na plateia, agora? E de que heróis precisamos?

Via Ana maria Bahiana_http://anamariabahiana.blogosfera.uol.com.br/

Seu nome é Dakota Fanning


Seu pai, Steve Fanning, era jogador de beisebol e atualmente trabalha como vendedor de eletrônicos em Los Angeles. Sua mãe, Joy Fanning, era jogadora profissional de tênis. Ela queria colocar o nome “Hannah”, mas seu pai queria “Dakota”, então ficou Hannah Dakota Fanning, que ela usa entre amigos e família.
Iniciou a carreira aos cinco anos, trabalhando em comerciais. Aos oito anos, tornou-se a mais jovem indicada ao Screen Actors Guild Award por sua atuação em “I Am Sam”(Uma Lição de Amor- 2001)
Seguiram-se aparições nas séries E.R. – Serviço de Urgência, Ally McBeal, C.S.I e Spin City, até Dakota estrear no cinema, com apenas seis anos, no filme Uma Lição de Amor (atuação como Lucy Diamond Dawson), em 2000. Em 2004, interpretou a pequena Lupita Martin Ramos ao lado de Denzel Washington, em Man on Fire (Chamas da vingança).
Em 2005, também teve papel de destaque no filme Sonhadora e, em 2006, no filme A Menina e o Porquinho. Já vivendo em Los Angeles, Dakota atuou em inúmeras produções, incluindo a participação na série Taken produzida por Steven Spielberg e uma pequena aparição em Friends, na qual interpretou a menininha Mackenzie. Em 2005, estreou três filmes: Amigo Oculto, Nine Lives, Guerra dos Mundos e uma dublagem para a animação Lilo & Stitch 2: Stich Deu Defeito.
Em 2009, já adolescente, interpretou a vampira milenar Jane Volturi em Lua Nova, a segunda parte de Crepúsculo. Em 2010, gravou Eclipse, terceira parte da série, na qual interpretou a mesma personagem. Também em 2010, Dakota interpretou a cantora Cherie Currie em The Runaways, ao lado de Kristen Stewart (que interpreta Joan Jett), sua companheira em Lua Nova e Eclipse e Amanhecer.
A voz dela foi mundialmente conhecida, mas na América do Norte por fazer a personagem-título no filme Coraline. Dakota tem uma provável carreira como cantora, pois, ao fazer Cherie Currie, a vocalista da banda The Runaways, Dakota quis dar o máximo de autenticidade, cantando as músicas, em vez de usar o playback. Na Internet, é possível baixar as suas versões de Queens Of Noise, Cherry Bomb, California Paradise e Dead End Justice.
Em 2009, foi considerada pela revista Forbes como a segunda atriz mais rentável do cinema[. É membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, tendo assim direito a votar no Oscar. Está na lista das 50 melhores atrizes do mundo, na lista oficial de Oprah Winfrey e num curto espaço de tempo contracenou com os maiores astros e atrizes de Hollywood tais como:. Robert DeNiro,Denzel Washington,Tom Cruise,Sean Penn,Kurt Russel,Forest Whitaker, Guy Pearce, Kate Beckinsale,Queen Latifah, Jennifer Hudson,Sophie Okonedo,Alicia Keys,Reese Witherspoon ,Kristen Stewart,Robert Pattinson e muitos outros.
Seu nome é Dakota Fanning.


Anger Managements_Primeiras impressões

Faltou alguma coisa. Anger Management (Tratamento de Choque) finalmente estreou na TV a cabo americana. Ela era muito aguardada desde que Charlie Sheen saiu de Two and a Half Men com poucos amigos e muitos inimigos na bagagem. O ator é famoso por ter uma vida social igual a do seu personagem, com mulheres, bebidas, brigas e outras coisas mais.

Assim como a estreia da nova temporada de sua antiga série com Ashton Kutcher bombou, a estreia de “Tratamento de Choque” bateu recordes de audiência. Os 5.47 milhões de espectadores fizeram o canal FX ter a maior audiência de sua história. E o segundo episódio transmitido em seguida atraiu ainda mais: 5.74 milhões. Números excelentes para o canal.

Quando eu soube que o projeto iria adaptar o enredo de um dos melhores filmes de Adam Sandler, primeiro pensei que seria bacana, com cada episódio mostrando uma semana a mais vencida pelos pacientes. Mas depois pensei em “legal, mas se vai ficar só nisso, não dura mais que uma temporada”. E com esse pensamento temos início a história dessa série.

Charlie Sheen, ex-Charlie Harper, é agora Charlie Goodson, um terapeuta que ajuda seus pacientes a domar a raiva interior. Ele mesmo já foi um deles, e luta para não voltar ao estado de guerra (se bem que isso tudo foi pro brejo quando ele quase acertou o namorado da ex com um abajur). Temos como pacientes Lacey (Noureen Dewulf), uma linda indiana que foi “convidada” a participar do grupo depois de atirar no saco de seu namorado, Patrick (Michael Arden) o gay, Nolan (Derek Richardson) o bobo, e Ed (Barry Corbin) o velho. Eles ainda não mostraram a que veio, mas acredito que cada um ali terá um episódio específico para isso.

Além disso, Charlie tem uma filha com TOC (Transtorno Obssessivo Compulsivo), Sam (Daniela Bobadilla), a ex-mulher Jennifer (Shawnee Smith) e a atual “namorada” (mais pro estilo amigos com benefícios) Kate Wales (Selma Blair). Na hora em que a vi lembrei dela em Friends, como Wendy, a segunda mulher mais bonita de Oklahoma que rouba o tender de uma festa e dá em cima de Chandler (excelente episódio).

A história de usar o mesmo nome no personagem é a maior piada da série. Se antes conhecemos o Charlie pegador que mora em Malibu, agora conhecemos o Charlie que jogou tudo pro alto (foi mais ou menos assim que ele perdeu seu emprego na vida real, mas na série foi num acesso de fúria durante um jogo de beisebol) e tenta reconstruir sua vida. A curiosidade foi o motivo para tanta audiência. E qual a impressão que a série passou depois de dois episódios? Tem coisa errada aí.

Charlie Harper está muito fresco em nossas memórias. Não dá pra vê-lo agora como um terapeuta. Seria bem mais legal se Jack Nicholson fosse o médico (ou mesmo sua antiga doutora interpretada pela Sue Sylvester de Glee) , e ele um de seus pacientes. Quem gosta de Charlie, gosta de ver suas burradas, seu jeito errado e malandro de ver e viver a vida. E não um pai de família que beija uma mulher nada atraente só para provar a sua filha que ele não pensa mais só na embalagem.

A série seria muito bonitinha com outro ator nesse papel. E que deixasse nosso Charlie como o paciente que nunca progride. Vai demorar um tempo para que a gente consiga engolir um Charlie graduado, mas a série vai ter que ralar pra fazer isso acontecer. Ela tem ingredientes para isso, e só ao longo da temporada é que poderemos saber se o sucesso continuará. Mas cá entre nós, o que faltou mesmo foi um Alan Harper para ele tirar sarro de sua vida medíocre.
Escrito por Diego Alves_Caldeirão de Series

%d bloggers like this: